sexta-feira, 23 de setembro de 2011

*PASTOREANDO O CORAÇÃO DAS CRIANÇAS*

O que é pastorear:
É a ação coordenada que objetiva o anúncio do Reino de Deus e se expressa no testemunho pessoal e comunitário, através da vivência da fé, da esperança e do amor.

Pastorear a criança:
Pastorear crianças é educa-las em valores para a vida, para o amor e para a paz. Pastorear a
criança é acolher, é orientar, é animar, é estar pronto, é servir, é acarinhar, é colaborar, é amar...
Todos e todas são responsáveis pelas crianças. De maneira especial a família, os professores e as professoras, os pastores e as pastoras são os que mais diretamente são responsáveis pelo pastoreio das crianças.
A educação da criança é global. É a partir do que a cerca que a criança vai aos poucos sentindo,
vendo, ouvindo e aprendendo ser ela mesma. Por isso o cuidado, a sensibilidade, a bondade e o amor são de importância fundamental para a criança. Ela aprende não tanto pelo que dizemos, mas muito mais pelo que somos e pelo que fazemos.
Os pastoreio do coração da criança é uma ação comunitária onde o pai, a mãe, os avós, os tios/as, os educadores/as e todos os irmãos e irmãs da igreja tem uma enorme influência na ação educativa da criança... Aquele e aquela que são chamados para pastorear a criança são chamado para contribuir na construção de um caminho no qual viver é amar . Amar a Deus, amar os seres humanos, amar a natureza, amar os animais, amar o sonho de Deus.

Quando pastorear as crianças:
É necessário e muito importante conhecer as características das crianças e entender as situações
que influenciam seu desenvolvimento integral.
Já desde a gestação, e nos primeiros anos da vida, a criança experimenta, associa a mãe , ao pai, às pessoas com as quais convive e ao ambiente , as mais variadas sensações
- proteção ou abandono
- bem querer ou mal querer
- ser mais uma ou ser única e esperada introjeta, faz o registro afetivo em si de todo o clima
familiar.

O período de 0 a 6 anos é muito importante. Nesta a criança ainda não é capaz de alto-condução e então é o/a adulto/a que estabelece as normas de comportamento para elas.

Sabemos que há uma relação do desenvolvimento humano com a fé. Esta relação começa nos
primeiros anos da vida, quando a criança interage com seus pais ou responsáveis. A fé se desenvolve como uma espiral, com forte resultados das situações vivenciadas pelas crianças nas relações com as pessoas e ambiente em que vivem.

A integração no universo é um permanente processo evolutivo, uma constante auto-
elaboração e necessidade que se renova a cada manhã e que se torna mais aguda em determinadas faixas de idade de nossa existência (criança, adolescente, idoso/a).

As crianças de 6 a 9 anos começam a responder por elas mesmas, têm a capacidade
maravilharem-se, são afetiva e têm muita sensibilidade.

Dos 9 a 12 anos ocorrem muitas mudanças. Despertam para a criatividade, surge os "grupos".

Como pastorear o coração da criança:
Cuidar de cada momento do desenvolvimento

A espera do nascimento:
A pastoral começa com o pai, a mãe e toda a igreja. Encontrar tempo para conversar sobre o nascimento da criança ela vai se localizar na
família - primogênita, caçula, seus irmãos, suas irmãs e avós...
Falar sobre batismo. A importância da nossa herança de fé.
O nascimento: Manifestar a alegria da chegada da criança - (um cartão, uma flor, um livro).
A visita pastoral é esperada pela família com grande espectativa.
O anúncio na igreja - bonito cartaz , painel - Acolhida e apresentação da criança no primeiro dia que ela for a igreja.


O batizado:
O pastor não deve incentivar o batismo da criança. Algumas igrejas históricas batizam crianças, contudo; a maioria não batiza por entender que a criança ainda não tem uma opinião formada sobre a vida em sí, bem como ao plano da cruz de Cristo. Realmente, Jesus afirma que as crianças são membros do reino de Deus "E qualquer que receber, em meu nome, uma criança tal como esta, a mim me recebe".
Isto não quer dizer que seja prudente a precipitação ao batismo como já mencionado no texto. 

Devemos sim, conversar com as crianças da igreja sobre batismo, ceia, etc... Batizar crianças é outra história.

A escola:
A educação cristã acontece em todos os espaços da igreja , tanto nos espaços físicos quanto nos "espaços" de convivência. A escola deve ser um lugar de muita experiência
boa para as crianças de todas as idades.
As crianças pequenas até quatro anos aprenderão nossas atitudes e valores.
Os/as adultos/as que amam e cuidam da criança transmitem, por meio de seus atos que Deus é
amor e que ele ama e cuida de seus filhos e filhas. As várias atividades que visam o desenvolvimento total da criança ajudam a construir o alto conceito : "Sou amado/a. Tenho capacidade de crescer, amar, participar e contribuir para um mundo melhor". Os frutos do espirito - amor, alegria, paz, paciência, bondade, humildade, fidelidade, domínio próprio - são características que devem fazer parte de nossa vida se vamos compartilhar nossa fé com as crianças.
O pastor/a deve visitar as classes das crianças incentiva-las, elogia-las, contar histórias e outras
atitudes muito importantes.
Dar especial atenção as fazes da participação na escola dominical.
Estabelecer os ritos de passagem - do berçário para o jardim e assim por diante. Explicar para as crianças, conversar, deixar que elas falem de seus sentimentos. Oferecer um legado que marque este momento de passagem.

O culto:
" O pastor/a precisa trabalhar o culto, tornando inclusivo às crianças."

Santa ceia:
" A criança como herdeira do Reino de Deus, não deve participar da seia do Senhor até que venha a idade da plena compreensão (12 anos de idade seria o ideal).



A vida escolar:
É importante demonstrar interesse pastoral para as crianças com respeito a seus estudos . Orar com elas no início do ano letivo, conhecer suas dificuldades e descobrir como incentiva-las. Organizar encontros para conversar com as crianças sobre suas escolas. É possível entender muito mais as crianças a partir dessas experiências conjuntas. Outras atividades muito interessantes são com relação as ferias. Pode-se organizar encontros para ver filme, comer pipoca e criar atividades de jogos, teatro, música e tantas outras. Sem saudosismo mas ainda tem "sabor" organizar pick-nick.

O aniversário:
É o dia especial de cada uma criança. É importante ter a relação de todas as
crianças com a data de nascimento. Quando for telefonar, saiba quantos anos ela estão fazendo. Criança gosta que saibam sua idade certa.

Lúcia Leiga de Oliveira
É membro da Igreja Metodista no bairro Planalto, em Belo Horizonte, 

assessora do Projeto Sombra e Água Fresca.

Adaptação: Beto Azevedo (Palhaço Bolinha)
  
FONTE: http://paratiasetios.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário